architecture for humanity, open source architecture

Cameron Sinclair há alguns anos teve a ideia de desenvolver projetos com boa qualidade de arquitetura e baixo custo de obra. Além disso, criou uma rede aberta que auxilia populações atingidas por desastres naturais ou outras catástofres, nada melhor do que ele mesmo para explicar como funciona a ONG - arquitecture for humanity.

 

A rede hoje possibilitou a viabilização de projetos muito interessantes e com uma vertente social muito importante, esquecida por muitos. Karachi, o projeto abaixo, é um deles, uma vila que foi atingida por enchentes no Paquistão.

As premissas basearam-se na  utilização do recursos disponível local e amenização dos fatores climáticas. Assim sendo, optou-se por construir edificações com grande massa térmica para amenizar o calor local , através de paredes feitas de pedra de areia e cobertura com telhado jardim. Foi considerada também a importância da iluminação natural e  ventilação natural, no caso o vento sudoeste.

As casas têm um plano básico que inclui uma varanda, cozinha, banheiro, 1 e 2 quartos (que podem acomodar 3-4 camas). Atenção para o detalhe das bordas da edificação ornamentadas  que refletem o trabalho de barro tradicional local. Todo o trabalho foi realizado com a participaçãoo da populão que iria ocupar as vilas.

projetos de casas sustentáveis - solar decathlon 2012

Vejam alguns dos projetos de casas sustentáveis que fizeram parte do Solar Decathlon 2012 que ocorreu em Madrid. No site oficial é possível fazer o download de alguns projetos. A equipe vencedora foi a francesa e a equipe brasileira ficou em 14o lugar.

sustenabilidad social del espacio público - seguridad

Uno de los principales factores que determinan la sostenabilidad de uno espacio público es la seguridad, de acuerdo con la ONU. Su percepción es un fenómeno subjetivo y se expresa como la apreciación ciudadana sobre su propia fragilidad y vulnerabilidad, respecto de convertirse en víctima potencial de la violencia urbana o del delito en determinados lugares o circunstancias y no coincide necesariamente con indicadores reales.

Abajo están algunos factores que influeyen esta percepción, cuadro extraído del Guía de Diseño del Espacio Público Seguro, Incluyente y Sustentable de ONU HABITAT


a cidade de amanhã


Os tês imãs - O povo, para onde ele vai?

Cidade
Fechado para a natureza. Oportunidade social.
Isolamento das multidões. Locais de diversões.
Distância do trabalho. Salários elevados.
Aluguéis e preços altos. Chances de emprego.
Horas excessivas. Exército de desempregados.
Nevoeiros e secas. Drenagem custosa.
Falta de ar. Céu escuro. Ruas bem iluminadas.
Favelas e palácios de gim. Edifícios palacianos.

País
Falta de sociedade. Beleza da natureza.
Mãos sem trabalho. Terra ociosa.
Cuidado com invasores. Madeira, Prado, Floresta.
Horas longas, baixos salários. Ar fresco. Renda baixa.
Falta de drenagem. Abundância de água.
Falta de diversões. Raio de sol brilhante.
Falta de espírito público. Necessidade de reforma.
Conjuntos habitacionais superlotadas Aldeias desertas.

Cidade - País
Beleza da natureza. Oportunidade social.
Campos e parques de fácil acesso.
Rendas baixas, altos salários.
Baixas taxas, muito a fazer.
Preços baixos, sem transpiração.
Campo para a empresa, fluxo de capital.
Ar e água pura, boa drenagem.
Lares e jardins preciosos, sem fumaça, sem favelas.
Liberdade. Co-operação.

local warming . senseablecitylab . MIT

O laboratório do MIT, SENSEable city, desenvolveu um estudo nomeado Aquecimento Local. Mas o que exatamente é isto, de acordo com pesquisas os sistemas de aquecimento de um edifício são responsáveis por até 20% do consumo de energia dos EUA. Isso é muito significativo, assim sendo, a ideia base é aquecer as pessoas e não o ambiente. 

Foi desenvolvido um protótipo que conta com sensores de movimento que direcionam o sistema de aquecimento para as pessoas. O princípio é pensar em sistemas inteligentes, mais eficientes, dinâmicos e na elaboração de novos conceitos para a indústria de sistemas de aquecimento. Esse protótipo sugere aquecimento para áreas internas e também externas.  Abaixo coloco imagens fornecidas pelo laboratório e um vídeo que mostra como funciona o sistema.






No caso do Brasil, o mesmo acontece em relação aos sistemas de resfriamento de ar, eles são responsáveis por uma boa parte do consumo de energia de uma edificação.  Esses princípios podem ser avaliados para novos estudos e quebras de paradigmas.

DPE- Diagnóstico de Desempenho Ambiental

Quando alguém for procurar uma casa ou apartamento para comprar ou alugar na França receberá uma etiqueta com o DPE - Diagnóstico de Desempenho Ambiental. Ela se parece com essas do PROCEL que informam qual é o consumo de energia dos eletrodomésticos. Assim, o consumidor pode optar por uma escolha consciente. No Brasil, o PROCEL já desenvolveu o programa, mas ainda não é uma realidade como acontece por lá. No anúncio do imóvel aparece a etiqueta e em alguns casos apresenta-se também a etiqueta da emissão de GEE – gases efeito estufa. Coloco abaixo alguns exemplos que encontrei nos anúncios do Le Monde e da agência imobiliária AG3.



 

O diagnóstico é realizado com base na descrição do imóvel e equipamentos consumidores de energia para aquecimento e resfriamento do ambiente interno e da água. Fotos térmicas da edificação, como a que colocamos abaixo, também fazem parte do diagnóstico. Esta foto é do próprio site do DPE - HABITAT e mostra onde se localizam as perdas de calor na edificação.


De acordo com estudos do DPE, para o clima e características construtivas das residências na França, as trocas térmicas estão distribuídas de acordo com a imagem abaixo.


arquitetura zambiana vernacular agrícola. tonga



As imagens mostram uma construção agrícola típica do Zâmbia que apresenta características bem funcionais e ligadas ao uso e entorno. Como estratégias sustentáveis de projetos podemos ressaltar o piso elevado que oferece segurança e promove a circulação do ar e a utilização de materiais locais rústicos como gravetos, troncos, palha, bambu e barro.

Essas casas são utilizadas por pastores que necessitam estar próximos do rebanho e têm como função abrigar  as pessoas e também os amimais. As casas palafitas existem ao redor de todo o planeta onde o clima é quente e úmido, e também, próximo de regiões alagadiças. Isso demonstra que elas são uma resposta que atende à essas necessidades. As imagens e conteúdo referente as construções zambianas foram retiradas do site Zambia Architecture que é fruto da pesquisa de um arquiteto eu foi voluntário na Zâmbia do  Peace Corps.







estudo de biomimética - ciclo da água

A empresa GBS - green building services realizou um estudo de biomimética, considerando o ciclo d'água para reduzir os impactos da construção de casas e aproveitar melhor os potenciais que ele poderia oferecer. Trata-se de um projeto na Índia e alguns painéis resumo estão apresentados abaixo, a ideia é viabilizar a Arquitetura coexistindo com o  meio ambiente.





caixa d'água casa . water tower house


O designer londrino Tom Dixon em 2009 resolveu transformar uma caixa d'água com capacidade de 5.000 galões, cerca de 19.000 litros, em uma espécie de hospedaria ou casa.  A estrutura foi dividida em 3 andares e o envelope foi recortado para a instalação de janela. A edificação conta com 3 quartos, recepção, cozinha e deck. Durante as Olimpíadas as instalações foram locadas para turistas. A ideia é subir mais alguns andares e a edificação tonar-se um marco naquela região, revitalizando-a e atraindo novos projetos.









http://inhabitat.com/tom-dixons-converted-water-tower-in-london-is-a-modernist-home-in-the-sky%E2%80%94and-its-up-for-rent/